quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Estação Shibuya e o Cãozinho Hachiko (ハチ公)

Muitos devem ter visto o filme "Sempre ao Seu Lado ( Hachiko: A Dog´s Story), com Richard Gere e um Cão da raça Akita.


Qual a relação com a Estação Shibuya? Bom, além, de ser uma estação muito movimentada e moderna, ela é um ponto de encontro da maioria das pessoas. Este ponto de encontro fica na Estátua de Hachi ou Hachiko.


A história de Hachiko (ハチ公) foi o seguinte:

"Em 1924 Hachikō foi trazido a Tóquio pelo seu dono, Hidesaburō Ueno, um professor do departamento de agricultura da Universidade de Tóquio. O professor Ueno, que sempre foi um amante de cães, nomeou-o Hachi (Hachikō é o diminutivo de Hachi) e o encheu de amor e carinho. Hachikō acompanhava Ueno desde a porta de casa até a não distante estação de trens de Shibuya, retornando para encontrá-lo ao final do dia. A visão dos dois, que chegavam na estação de manhã e voltavam para casa juntos na noite, impressionava profundamente todos os transeuntes. A rotina continuou até maio do ano seguinte, quando numa tarde o professor não retornou em seu usual trem, como de costume. A vida feliz de Hachikō como o animal de estimação do professor Ueno foi interrompida apenas um ano e quatro meses depois. Ueno sofrera um AVC na universidade naquele dia, nunca mais retornando à estação onde sempre o esperara Hachikō.
Em 21 de Maio de 1925, o professor Ueno sofreu um derrame súbito durante uma reunião do corpo docente e morreu. A história diz que na noite do velório, Hachikō, que estava no jardim, quebrou as portas de vidro da casa e fez o seu caminho para a sala onde o corpo foi colocado, e passou a noite deitado ao lado de seu mestre, recusando-se a ceder. Outro relato diz como, quando chegou a hora de colocar vários objetos particularmente amados pelo falecido no caixão com o corpo, Hachikō pulou dentro do caixão e tentou resistir a todas as tentativas de removê-lo.
Ao perceber que seu antigo mestre já não morava na casa em Shibuya, Hachikō ia todos os dias à estação de Shibuya, da mesma forma como ele sempre fazia, e esperou que ele voltasse para casa. Todo dia ele ia e procurava a figura do professor Ueno entre os passageiros, saindo somente quando as dores da fome o obrigavam. E ele fez isso dia após dia, ano após ano, em meio aos apressados passageiros. Hachikō esperava pelo retorno de seu dono e amigo.
Por 10 anos contínuos Hachikō aparecia ao final da tarde, precisamente no momento de desembarque do trem na estação, na esperança de reencontrar-se com seu dono.
Na madrugada de 8 de março de1934, com idade de 11 anos, ele deu seu último suspiro em uma rua lateral à estação de Shibuya. A duração total de tempo que ele tinha esperado, saudoso, seu mestre, foi de nove anos e dez meses. A morte de Hachikō estampou as primeiras páginas dos principais jornais japoneses, e muitas pessoas ficaram inconsoláveis com a notícia. Um dia de luto foi declarado." http://pt.wikipedia.org/wiki/Hachiko

Todo dia 8 de Abril é realizada uma cerimônia solene na estação de trem, em homenagem à história do cão leal
‚³‚æ‚È‚çƒnƒ`Œö
Adeus Hachiko

Uma história comovente que mostra a lealdade do cão, ao seu dono.

O Bairro de Shibuya é onde mostram o famoso cruzamento lotado de gente!!!


video

É impressionante a iluminação e o som ambiente na rua, caixas BOSE nos postes da rua com som dos telões. Não tem como imaginar isso aqui no Brasil.!!
O Cruzamento é bem cheio,mas organizado. 8 semáforos fecham e abrem simultaneamente,controlando o fluxo de carros e gente.

Muitos restaurantes,lojas,muito tudo!!! Agente fica até tonto de tanta coisa que há neste pedaço de Shibuya.

Até breve!!!











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...